Plan International Brasil 11 4420.8084

Ajuda de voluntários tem sido fundamental na distribuição de auxílio em meio à pandemia de COVID-19

Reading Time: 4 minutes

Ajuda de voluntários tem sido fundamental na distribuição de auxílio em meio à pandemia de COVID-19

Plan vai distribuir cestas básicas e kits de higiene para mais de 12 mil famílias em situação de vulnerabilidade no Maranhão e no Piauí

O Plano de Resposta Humanitária à pandemia de COVID-19 já está sendo colocado em prática pela Plan International Brasil. Nos últimos dias de abril, a equipe da Plan começou a distribuir cestas básicas e kits de higiene em comunidades em situação de vulnerabilidade do Maranhão e do Piauí com o objetivo de atender mais de 12 mil famílias ao longo da quarentena.

A contribuição de voluntários tem sido fundamental para o sucesso do trabalho, segundo Helliza Rodrigues, gerente de patrocínio da Plan International Brasil. “Temos contado muito com o apoio comunitário. Em todas as comunidades temos pessoas que ajudam nas visitas, na identificação de pessoas em situação de vulnerabilidade, na distribuição. O trabalho tem sido muito coletivo, inclusive com o apoio da Defesa Civil e de outras organizações locais”, diz.

A Plan tem a ajuda de ao menos cinco voluntários em cada comunidade, segundo Helliza. Ela relata que fortes chuvas chegaram a dificultar o trabalho de distribuição em algumas áreas rurais, mas voluntários têm entrado em ação para garantir que os itens cheguem a quem precisa. Foi o que ocorreu em uma comunidade no Maranhão. Quando o caminhão com as doações não conseguiu passar por um trecho da estrada danificado pela chuva, voluntários atravessaram o espaço a pé para buscar as cestas, que depois foram carregadas em carrinhos de mão e bicicletas.

O trabalho atual de resposta humanitária é bem diferente da atuação cotidiana da Plan, que foca na capacitação e no empoderamento de crianças e adolescentes, especialmente das meninas. “O trabalho que normalmente fazemos é de conscientização, de ampliar os horizontes das meninas da comunidade”, diz Helliza. “Quando acontecem desastres, como a pandemia, o trabalho é redirecionado e se volta para a atenção comunitária mais básica. Até porque para desenvolver outros trabalhos, a comunidade precisa ter as necessidades básicas supridas.”

Creuziane Barros, gerente da Unidade de Programas de São Luís (MA), observa que, diante da pandemia, as ações da Plan estão voltadas para salvar vidas. “Os kits vêm apoiar as famílias em situação de vulnerabilidade a superar as dificuldades relacionadas à fome e a sua higiene para reduzir a contaminação”, diz.

Mesmo nesse contexto emergencial, as visitas da Plan às comunidades não se limitam à distribuição de alimentos e produtos de higiene. Nas visitas às famílias, a equipe leva materiais educativos com informações de prevenção contra a COVID-19, prevenção de violências, saúde sexual e reprodutiva, além de panfletos com o telefone da rede de proteção infantil local. “O básico é levar a informação de que os direitos das crianças continuam valendo mesmo em contexto de crise. Normalmente, a situação de violência contra meninas se agrava quando não tem vigilância sobre esse tema”, afirma Helliza.

Outra particularidade do atual plano de resposta humanitária é em relação aos cuidados para proteger a equipe e a comunidade da disseminação da COVID-19. Para Alice Juliana de Sousa, educadora social da Plan International Brasil em Codó (MA), o principal desafio que a equipe tem enfrentado é o medo da contaminação. “Tomamos uma série de medidas para que não haja contato desnecessário com a família. Não entramos na casa e fazemos a higiene total. Mesmo com tudo isso, a família fica receosa em nos receber”, conta Alice.

Apesar do receio inicial, quando são informadas de que o motivo da visita é a entrega das cestas, as famílias têm ficado muito felizes com a ajuda. “Percebemos uma sensação de alívio das famílias e gratidão por esse tipo de ajuda. As famílias estão sem emprego, com acesso escasso aos serviços sociais”, relata Alice. Além disso, as crianças estão sem ir à escola e às vezes precisam ficar sozinhas em casa porque alguns pais e mães não pararam de trabalhar.

Creuziane afirma que a garantia de direitos, que já é bem difícil num cenário de normalidade considerando todas as desigualdades sociais existentes, se acirra ainda mais no contexto da pandemia. “As comunidades são as que mais sofrem, pois não conseguem acessar direitos básicos como alimentação, por exemplo”, diz a gerente. Ela observa que o serviço de saúde está reduzido e com foco quase exclusivamente na pandemia. Além disso, as pessoas que já sofriam violência dentro de suas casas podem estar ainda mais vulneráveis por passarem mais tempo com a pessoa agressora e com menos chances de pedir ajuda.

Em uma das comunidades, a ajuda foi comemorada pela líder comunitária Concita. “Não é só com a cesta básica que a Plan tem nos ajudado. Já trouxe água, saúde, educação, já realizou muitos seminários em nossa comunidade”, disse Concita. Assista ao vídeo:

[video src="https://plan.org.br/wp-content/uploads/2020/05/VID-20200501-WA0006.mp4" /]

Para garantir a segurança da operação, a equipe da Plan e os voluntários que auxiliam no trabalho de campo têm recebido um treinamento especial e utilizado os equipamentos de proteção individual considerados necessários. “Durante as visitas, usamos álcool em gel, líquido e máscaras, além de reduzirmos o manuseio de materiais para minimizar os riscos para nós e para as famílias. E as precauções seguem ao chegarmos em casa, com o cuidado inicial da higienização antes de contato com qualquer pessoa da família”, explica Creuziane. Além disso, funcionários que estão nos grupos de risco, ou que vivem com pessoas desse perfil, não estão participando do trabalho de campo, apoiando as ações em home office.

A principal resposta que a equipe da Plan tem recebido é a gratidão. “Eles dizem que estão se sentido cuidados pela Plan, que sempre atuou junto à comunidade com projetos envolvendo meninas e meninos. E agora tem a sensibilidade de voltar e apoiá-los num momento tão difícil. Encontramos famílias vivendo em extrema necessidade sem o mínimo para comer”, lamenta Creuziane.

Confira a entrega de cestas básicas e kits de higiene em comunidades de São Luís, MA

Compartilhar com o universo
X