Plan International Brasil 11 4420.8084

Lançamento: pesquisa Por Ser Menina no Brasil

Reading Time: 7 minutes

Lançamento: pesquisa Por Ser Menina no Brasil

Pesquisa ouviu 2.589 meninas para entender como elas vivem e o que esperam do futuro. 94,2% delas já presenciaram ou sofreram ao menos uma situação de violência

A Plan International Brasil está lançando uma nova edição da pesquisa Por Ser Menina no Brasil, que traz um olhar sobre a vida das meninas e as diferenças de gênero dentro de casa, na escola, on-line, na rua e na sociedade como um todo, aprofundando a compreensão sobre o impacto que essas desigualdades causam. O estudo, executado pela consultoria Tewá 225, se debruça também sobre o entendimento a respeito do que elas querem para o futuro e como se preparam para isso, além de uma percepção sobre o que é ser menina. Confira o lançamento da pesquisa no youtube da Plan, com a participação da jornalista Joyce Ribeiro.

Realizada no contexto da pandemia, a pesquisa ouviu 2.589 participantes de 14 a 19 anos. As meninas são de dez cidades nas cinco regiões brasileiras: Brasília (DF), Cachoeirinha (RS), Codó (MA), Formosa (GO), Jacareí (SP), Manaus (AM), Maués (AM), Porto Alegre (RS), São Luís (MA) e São Paulo (SP). Assim, a pesquisa representa uma tendência do que é ser menina, especialmente nas capitais e cidades médias (de 100 mil a 350 mil habitantes).

O estudo mostra que 85,7% das participantes gostam de ser meninas, um percentual superior aos 75,4% registrados em 2014, quando a Plan realizou a primeira edição – naquela ocasião com meninas de 6 a 13 anos. A pesquisa revela que a percepção das jovens sobre o que é ser menina é influenciada por seu contexto de interações e sua rede de cuidados. Os desafios variam, mas permanecem, em todos os seus ambientes de interação: em casa, na escola, na rua, na internet e na sua comunidade. Mas não é fácil ser menina: 69,4% delas revelaram sentirem seus direitos desrespeitados por serem meninas/mulheres. “Sabemos o quão relevante é traduzirmos em dados o que acontece com as meninas para que possamos engajar mais atores na transformação da sociedade que vivemos”, afirma Cynthia Betti, diretora executiva da Plan International Brasil.

Os modelos sociais existentes ainda reforçam desigualdades de gênero e atrapalham o pleno desenvolvimento das meninas. Dentro de casa, elas ainda realizam o dobro de trabalhos domésticos que os meninos (67,2% das meninas contra 31,9% dos meninos), o que valida a tese de que as meninas são precocemente responsabilizadas pelo cuidado com o lar e com as pessoas. Assim, elas têm menos tempo para os estudos, lazer e atividades de desenvolvimento para a vida. A carga de trabalho doméstico piorou durante a pandemia: 54,6% das meninas disseram que as tarefas aumentaram.

“Quando minha avó faleceu de Covid, as coisas ficaram mais difíceis. É como se eu não conseguisse me manter na escola, não conseguia cuidar direito dos meus irmãos, limpar a casa, enquanto minha mãe estava fora. O que mais me chateou foi que ela [mãe] não entendeu, simplesmente queria que eu tivesse notas boas independente de tudo, que eu limpasse a casa independente de tudo”, afirma uma menina de 14 anos, de Manaus.

“Na nossa vila, a questão mais evidente é das tarefas domésticas. É mais evidente a desigualdade entre meninos e meninas. Sempre que você vai numa casa, você vai ver uma menina lavando louça, varrendo e o menino lá, sem fazer nada”, diz uma menina de 18 anos, de São Luís.

Violência

É dentro de casa que as meninas mais sofrem com a violência física (30,7%), violência sexual (24,7%) e violência psicológica (29,5%). Quase todas as participantes da pesquisa (94,2%) já presenciaram ao menos uma situação de violência com elas ou pessoas próximas. Um dado preocupante é de que 25,9% das meninas não procuraram ajuda. Elas relatam que os pais e adultos responsáveis não acreditaram nelas, o que levou ao não encaminhamento dos casos.

Depois da casa, a escola também é apontada como um local de violência. É onde elas mais sofrem assédio (32,4%) e violência de gênero (25,4%), e o segundo maior na violência sexual (24%). Já a rua é um ambiente hostil: 57% das meninas sentem medo de andar na rua e 23,4% se sentem humilhadas.

“Na escola que eu estudava, no Ensino Médio, era dia de educação física e eu fui com shorts saia de educação física. Fui chamada pela vice-diretora e ela disse que tinha que trocar minha roupa. Perguntei por que se não tinha regras de vestimenta na escola. E aí ela disse que se eu fosse assediada com aquela roupa eu não teria direito de reclamar e que eu estaria pedindo para ser assediada por causa da roupa que eu estava usando. Ouvir isso de uma outra mulher, mais velha, diretora, que deveria me proteger, foi horrível”, relata uma jovem de 19 anos, de Porto Alegre (RS).

Saúde

As meninas que já são mães representam 3,2% das participantes da pesquisa. Entre elas, 74,1% são negras, 21% brancas, 3,7% indígenas e 1,2% amarelas. Na faixa etária, 48,2% têm entre 18 e 19 anos, 37% têm entre 16 e 17 anos e 14,8% têm 14 ou 15 anos. As meninas negras são as mães na faixa etária mais jovem, o que pode representar maior vulnerabilidade social.

A menstruação ainda é um tabu para meninas e adultos. Algumas delas mencionaram que são retiradas das aulas de educação física quando estão menstruadas, evidenciando um desconhecimento de como abordar o assunto. O banheiro feminino da escola também foi destacado como um ambiente hostil pelos olhares julgadores que ocorrem entre as meninas no período menstrual.

Embora 92,4% das meninas tenham respondido que têm conhecimento sobre prevenção sexual, apenas 44,1% já passaram por uma consulta ginecológica. A pesquisa revela que a renda familiar influencia diretamente o acesso às consultas. Meninas com renda familiar acima de 6 salários-mínimos são as que mais responderam positivamente sobre o tema, com 67,8%. Já entre as que estão em famílias com renda familiar de até 1 salário-mínimo, a taxa de consultas cai para 31,6%. Em geral, as meninas que mais foram a uma consulta ginecológica são as que usam algum método anticoncepcional.

A saúde mental das meninas também se tornou um dos temas da pesquisa. Sobretudo por causa da pandemia, elas relataram uma piora significativa na saúde mental (76,6%), com os impactos do aumento do convívio familiar excessivo, da suspensão das atividades de sociabilidade, do uso excessivo de telas e de uma sensação pronunciada de solidão.

Educação

As meninas veem a educação como parte importante de sua formação para o futuro e querem fazer faculdade. Mas há uma série de limitações pelo caminho. Estudar é a segunda principal atividade realizada por elas (a primeira é navegar na internet), mas apenas a quinta na escala de prioridade dos meninos.

Quase uma a cada cinco meninas (18,2%) precisou interromper os estudos. A pandemia gerou profundas dificuldades de acesso das meninas às escolas e foi citada por 19,3% das participantes como a causa da exclusão escolar. No Maranhão, essa causa chegou a 30,7% e no Amazonas a 21,4%. As meninas se sentem exaustas com as aulas on-line. O segundo motivo mais citado foi a perda de vontade de estudar, com 17,6% do total. Há também outras razões: 11,2% das meninas amazonenses deixaram de estudar para ajudar nos afazeres domésticos e 22,8% das gaúchas que pararam de estudar alegaram que a razão foi a falta de professores nas escolas.

O cruzamento de dados educacionais com a dimensão territorial permite verificar que o Amazonas é o estado onde houve maior percentual de exclusão escolar (32,8%), divergindo da tendência dos demais estados e das médias nacional (7,6%) e regional (Norte com 9,2%), seguido do Rio Grande do Sul como o segundo maior (18,6%).

Vale destacar ainda como a gravidez precoce prejudica os estudos das meninas: 4,9% delas deixaram de estudar por causa da gestação. Esse número foi a 8,2% entre as meninas que deixaram a escola no Amazonas e a 6,8% no Maranhão.

“Eu tinha uma colega que os pais dela têm um supermercado e ela é a única, de três irmãos, (outros dois meninos) que teve que parar de estudar, porque os dois irmãos dela queriam jogar bola, entrar naquelas escolas e ela teve que parar de estudar para assumir o supermercado. Eu achei isso super errado, porque tão privando ela de um direito básico, que é educação”, conta uma menina de 16 anos, de Cachoeirinha (RS).

Ambiente on-line

Os horizontes das meninas estão se ampliando e o contexto da pandemia transformou o ambiente on-line em mais um dos espaços frequentados pelas meninas. Navegar na internet é a atividade que elas realizam com mais frequência e 83,4% aumentaram o tempo conectadas durante a pandemia. É no mundo digital que elas se informam, interagem socialmente e se aliam a movimentos sociais.

Mas o ambiente on-line também é hostil, um espaço de assédio onde há uma diferença clara e marcante sobre como homens e mulheres são avaliados e julgados, especialmente nas redes sociais e nos jogos on-line – conforme a pesquisa global “Liberdade On-line?”, da Plan International já havia apontado em 2020. As meninas denunciam a hipersexualização das mulheres na internet: 70,2% das meninas identificaram ter sofrido violência de gênero na internet, com o vazamento de dados, golpes e assédio sexual.

Trabalho, sonhos e futuro

Quase uma a cada cinco meninas (18,6%) trabalha. Esse número aumenta no Rio Grande do Sul (26,1%) e em São Paulo (21%). Já Goiás (16,3%), Amazonas (14%) e Maranhão (13,7%) tiveram uma média menor. No geral, há uma concentração de trabalhadoras com idade entre 18 e 19 anos (43%), seguido de 16 e 17 anos (41,4%). No recorte por raça, 37,4% das meninas que trabalham são negras, 20,3% são amarelas, 20% são brancas e apenas 4,5% são indígenas.

As meninas que trabalham o fazem por conta própria e costumam recorrer a bicos, aplicativos e trabalhos informais (29,1%). Também no mercado informal estão outras 26,6%. Apenas 24,9% das trabalhadoras têm carteira de trabalho assinada (CLT).

A conclusão da pesquisa destaca um ponto importante sobre os sonhos das meninas, que incluem o sucesso profissional e a independência financeira. Em grande parte, esse desejo está atrelado a não repetir os padrões familiares: mães que eram dependentes de maridos financeiramente e que precisaram romper com dureza essas relações e adentrar a realidade de mães solo com todos os pesos que a sociedade impõe a isso, ou ainda, manter-se em relações não saudáveis por conta de dependência financeira. Entre as conquistas que elas mais desejam, mencionam casa própria, carro, viajar para o exterior e cuidar dos pais.

Metodologia

A pesquisa contou com a chancela da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), que avaliou a aprovou em seu comitê de ética todos os instrumentos de pesquisa e de proteção e salvaguarda. A faculdade também acompanhou o processo, validando os ajustes realizados no período de pesquisa para ampliar a abordagem do público-alvo.

“Foi um desafio coletar dados primários durante a pandemia, especialmente pelo risco do trabalho de campo. Porém nossa abordagem metodológica permitiu consorciar estratégias on-line e presenciais em territórios de menor acesso à internet, a fim de garantir a representatividade das meninas no estudo”, diz Luciana Sonck, sócia fundadora da Tewá 225.

Compartilhar com o universo
X