Pular para o conteúdo principal

Nicole, de Porto Alegre, quer fortalecer a igualdade de gênero!

Nicole tem 15 anos e já sabe da importância de contribuir para transformações sociais que influenciem positivamente na vida das pessoas, principalmente na promoção da igualdade de gênero. No High Level Political Forum, ela quer usar a sua voz para fortalecer essa causa.

Meu nome é Nicole, tenho 15 anos, moro com minha mãe e meus irmãos em Porto Alegre e faço parte da Plataforma Meninas no Poder, da Plan International Brasil. Estou no primeiro ano do ensino médio e trilhei um longo caminho para chegar até aqui: enfrentei muitos obstáculos para poder estudar, mas nunca desisti e até cheguei a ser escolhida como aluna destaque na minha escola. Pode parecer uma conquista simples, mas foi muito importante para mim e eu fiquei muito feliz.

Desde pequena eu reconheço a força da mulher, principalmente da mulher negra, e sempre uso a minha mãe como exemplo: ela teve que cuidar dos filhos sozinha, sem ninguém para ajudar, mas sempre me ensinou a não abaixar a cabeça e a nunca desistir de lutar pelos meus direitos.

Por isso, me interessei em fazer parte da Plataforma Meninas no Poder, para continuar nessa luta. Fazer parte do projeto já é uma grande realização, pois, por meio dele, posso contribuir para transformações sociais que influenciem positivamente na vida das pessoas, principalmente na promoção da igualdade de gênero. Agora, com o High Level Political Forum, espero usar a minha voz para fortalecer essa causa.

Acredito que todas as meninas deveriam ter mais oportunidades de participar de eventos tão importantes internacionalmente, porque todas nós temos algo a acrescentar para o mundo. Assim, na minha participação em Nova York, vou aproveitar a oportunidade de poder conhecer e aprender mais sobre as políticas públicas para ajudar a dar mais espaço às meninas. Darei minha opinião sobre os assuntos, participarei das discussões e, sem dúvidas, será uma experiência que eu levarei para o resto da vida não só como uma realização pessoal, mas como uma conquista que eu espero que, um dia, seja também de todas as meninas.